Resultado da pesquisa (6)

Termo utilizado na pesquisa traqueia

#1 - Tracheal post-vaccinal reaction to different strains of Newcastle disease virus

Abstract in English:

The aim of the present study was to evaluate the post-vaccinal reaction to two lentogenic vaccine strains of Newcatle disease virus (NDV) and a recombinant turkey herpesvirus (rHVT) vaccine expressing the fusion glycoprotein of NDV in broiler chickens through histomorphometric and histopathologic analyses of the trachea. The experiment involved 245 chicks housed in randomized blocks with three different enclosures under controlled conditions of temperature, light and ventilation. Each enclosure represented a vaccine strain and was divided into groups according to the administration route. Each block also had its own control group composed of unvaccinated birds. The vaccine strains PHY.LMV.42 (PL42) and La Sota (LS) were selected according to the Intracerebral Pathogenicity Index (ICPI) and the rHVT-NDV Serotype 3 strain (ST3) was selected for representing non-NDV infection. At two, four, seven, 14 and 21 days post vaccination, fragments from the middle third of the trachea were collected and submitted to routine histological processing. For the histomorphometric analysis, the slides were photographed, and the thickness of the tracheal mucosa was measured. Statistical analysis involved two-way ANOVA and Tukey’s post-hoc test with a 5% significance level. For the histopathological evaluation, lesions were described as to the degree of intensity and distribution. At four and 14 days post vaccination with the LS strain administered by the ocular route, the means of thickening of the tracheal mucosa (20.85±7.31µm and 26.97±5.50µm, respectively) were significantly higher (p<0.05) than for all other strains, which was related to the severe histopathological lesions found in this group, characterized by hyperemia, hyperplasia of the mucous glands, moderate deciliation and multifocal lymphohistiocytic inflammatory infiltrate. At 21 days, broiler chickens vaccinated with the ST3 strain showed more discrete lesions and less thickening of the tracheal mucosa (23.23±7.62µm; p<0.05) in comparison with other studied strains. The lesions found in this group were only hemorrhage, deciliation and mild focal lymphocytic inflammatory infiltrate. The results of the histomorphometry and histopathology of the trachea indicated that vaccination with rHVT-NDV Serotype 3 strain induced lower degree post-vaccine tracheal lesions compared to other vaccine strains analyzed in this study.

Abstract in Portuguese:

Objetivou-se avaliar a reação pós-vacinal de duas estirpes lentogênicas do vírus da doença de Newcastle (VDN) e uma vacina recombinante de herpesvirus de perus (rHVT) que expressa a glicoproteína de fusão de VDN em frangos de corte por meio da histomorfometria e histopatologia da traqueia. Foram utilizados 245 pintos alojados em blocos ao acaso, sendo três galpões distintos em condições controladas de temperatura, luz e ventilação. Cada galpão representou uma cepa vacinal, onde foram divididos por grupos de acordo com a via de administração. Todos os blocos possuíam um grupo controle composto por aves não vacinadas. As cepas vacinais PHY.LMV.42 (PL42) e La Sota (LS) utilizadas foram selecionadas de acordo com o Índice de Patogenicidade Intracerebral (IPIC) e a cepa Sorotipo 3 (ST3), da vacina rHVT-VDN foi selecionada por não representar infecção do VDN. Aos dois, quarto, sete, 14 e 21 dias pós-vacinação, fragmentos do terço médio da traqueia foram coletados e posteriormente processados conforme rotina histológica. Para análise histomorfométrica da mucosa traqueal, as lâminas foram fotografadas e realizadas as mensurações da espessura da mucosa traqueal sendo aplicado teste de análise de variância a dois critérios (ANOVA) e utilizando o post-hoc de Tukey com nível de significância de 5%. Para a avaliação histopatológica foram observadas a presença de lesões microscópicas e estas foram descritas quanto ao grau de intensidade e distribuição. Aos quatro e quatorze dias pós-vacinação com a cepa LS administrada por via ocular, as médias do espessamento da mucosa traqueal (20,85±7,31µm e 26,97±5,50µm, respectivamente) foram significativamente maiores (p<0,05) quando comparada a todas as demais cepas utilizadas, isto se deve às severas lesões histopatológicas encontrados neste grupo, caracterizadas por hiperemia, hiperplasia das glândulas mucosas, deciliação moderada e infiltrado inflamatório linfohistiocitário multifocal moderado. Já aos 21 dias as aves vacinadas com a cepa ST3 apresentaram lesões mais discretas e menor espessamento da mucosa da traqueia (23,23±7,62µm; p<0,05) em comparação às demais cepas estudadas. As lesões encontradas neste grupo foram apenas hemorragia, deciliação e infiltrado inflamatório linfocitário focal discreto. Os resultados da histomorfometria e da histopatologia da traqueia indicou que a vacinação com a rHVT-NDV, cepa Sorotipo 3 induziu menor grau de lesões pós-vacinais na traqueia comparada a outras cepas vacinais analisadas nesse estudo.


#2 - Macroscopic and microscopic morphology of the trachea and lungs of giant anteater (Myrmecophaga tridactyla)

Abstract in English:

Giant anteater (Myrmecophaga tridactyla) is a wild mammal distributed in Central and South America; nowadays, it is classified as an endangered species. Research about the macroscopic and histomorphological aspects of its respiratory tract is scarce, and, sometimes, it limits the treatment provided to sick animals and impairs species preservation. Thus, the present study aims to describe the macroscopic and microscopic morphology of its lower respiratory tract, including trachea and lungs. To do so, 12 adult giant anteaters from “Centro de Triagem de Animais Silvestres de Goiânia” (CETAS-GO), Goiás State, Brazil, were used in the research after natural death or euthanasia. Three of these animals were used for macroscopic assessments; they were fixed in 10% buffered formalin and dissected. Trachea and lung tissue samples were collected from nine animals right after death and fixed in 10% buffered formalin for histomorphological analysis; they were processed, embedded in paraffin, and inked with hematoxylin-eosin (HE), periodic acid-Schiff (PAS), and Masson’s trichrome. The macroscopic analysis showed that the trachea in this species is proportionally short and presents from 19 to 27 tracheal cartilages. The right lung presents four lobes and the left one, two. The microscopic analysis evidenced respiratory epithelium of the ciliated cylindrical pseudostratified type, without evident goblet cells in the mucosa layer of the trachea and bronchi. The pulmonary visceral pleura is thick, similar to other large domestic mammals - complete septa extend from the pulmonary visceral pleura. In conclusion, the macroscopy and histomorphology of giant anteater’s lower respiratory tract, represented by trachea and lungs, are similar to that of other domestic and wild mammals. Pulmonary histomorphology is mainly similar to that of pigs and ruminants: it has thick visceral pleura that emits complete septa of conjunctive tissue, which enable lobular parenchymal architecture.

Abstract in Portuguese:

O tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla) é um mamífero silvestre com distribuição na América Central e do Sul e, atualmente, encontra-se classificado como ameaçado de extinção. Pesquisas acerca dos aspectos macroscópicos e histomorfológicos do seu sistema respiratório são escassas, o que, por vezes, limita o tratamento e o manejo de eventuais animais doentes, bem como a preservação da espécie. Desse modo, o objetivo deste estudo foi descrever a morfologia macroscópica e microscópica do aparelho respiratório inferior do tamanduá-bandeira, incluindo traqueia e pulmões. Para tanto, foram utilizados 12 tamanduás-bandeiras adultos, provenientes do Centro de Triagem de Animais Silvestres de Goiânia (CETAS-GO), Goiás, Brasil, após morte natural ou eutanásia. Destes, três foram utilizados para o estudo macroscópico, sendo fixados em formalina tamponada a 10% e dissecados. Para a análise histomorfológica, amostras teciduais da traqueia e do pulmão foram colhidas de nove animais logo após o óbito, fixadas em formalina tamponada a 10%, processadas, incluídas em parafina e coradas com hematoxilina e eosina (HE), ácido periódico-Schiff (PAS) e tricrômico de Masson. À análise macroscópica notou-se que a traqueia é proporcionalmente curta, apresentando 19 a 27 cartilagens traqueais. O pulmão direito apresenta quatro lobos e o esquerdo dois. À análise microscópica foi constatado epitélio respiratório do tipo pseudoestratificado cilíndrico ciliado, sem células caliciformes evidentes na camada mucosa da traqueia e dos brônquios. A pleura visceral pulmonar é espessa, assim como nos grandes mamíferos domésticos, e, a partir desta, estendem-se septos completos. Conclui-se que a macroscopia e a histomorfologia do sistema respiratório inferior do tamanduá-bandeira, representado pela traqueia e pulmões, são semelhantes àquelas de outros mamíferos domésticos e silvestres. A histomorfologia pulmonar é especialmente semelhante à de suínos e ruminantes, com a pleura visceral espessa e emitindo septos completos de tecido conjuntivo, que conferem arquitetura parenquimal lobular.


#3 - Anatomy description of cervical region and hyoid apparatus in living giant anteaters Myrmecophaga tridactyla Linnaeus, 1758, 37(11):1345-1351

Abstract in English:

ABSTRACT.- Borges N.C., Nardotto J.R.B., Oliveira R.S.L., Rüncos L.H.E., Ribeiro R.G. & Bogoevich A.M. 2017. Anatomy description of cervical region and hyoid apparatus in living giant anteaters Myrmecophaga tridactyla Linnaeus, 1758. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(11):1345-1351. Setor de Diagnóstico por Imagem, Escola de Veterinária e Zootecnia, Universidade Federal de Goiás, Campus Samambaia, Cx. Postal 131, Goiânia, GO 74001-970, Brazil. E-mail: naidaborges@yahoo.com.br The giant anteater has specific anatomical adaptations resulting from its ant and termite feeding habits. The unique arrangement of its hyoid apparatus is essential for the ingestion of food. However, its description in the literature is based on fragments and fossils, making it difficult to determine existing anatomical details in live animals. Imaging techniques, which enable the topographical anatomy of animals to be examined noninvasively, provide essential information for the diagnosis and prognosis of diseases. The aim of this study is to describe the bone contours in the hyoid apparatus of the giant anteater by means of radiographic and tomographic images. Giant anteaters of varying ages from the Wild Animal Screening Center (CETAS-GO) were used, seven for X-ray exams and two adults for CT exams. The hyoid elements in all the animals were evaluated using the two imaging techniques, and were visualized in the cervical region of C2 to C6, which comprises three paired bones (stylohyoid, epihyoid, ceratohyoid) and one unpaired bone (basihyoid). The presence of air in the oropharynx enabled the assessment of soft tissue structures in this region, such as the epiglottis and the soft palate. CT axial sections are of limited usefulness for evaluating the hyoid bones, but enable assessments of the basihyoid bone and its characteristic V-shape. Thus, to analyze the hyoid region in anteaters based on radiographic and tomographic images, one must keep in mind that the stylohyoid, epihyoid and ceratohyoid bones are situated ventrally to the C2 to C5 vertebrae and that the basihyoid at the level of C5-C6 demarcates the transition between the nasopharynx and the trachea. The nasopharynx and oropharynx extend from C1 to C5, and the trachea begins at the level of C6

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Borges N.C., Nardotto J.R.B., Oliveira R.S.L., Rüncos L.H.E., Ribeiro R.G. & Bogoevich A.M. 2017. Anatomy description of cervical region and hyoid apparatus in living giant anteaters Myrmecophaga tridactyla Linnaeus, 1758. [Descrição anatômica da região cervical e aparato hioide em espécimes vivos de tamanduá-bandeira, Mymercophaga tridactyla Linnaeus, 1758.] Pesquisa Veterinária Brasileira 37(11):1345-1351. Setor de Diagnóstico por Imagem, Escola de Veterinária e Zootecnia, Universidade Federal de Goiás, Campus Samambaia, Cx. Postal 131, Goiânia, GO 74001-970, Brazil. E-mail: naidaborges@yahoo.com.br O Tamanduá-Bandeira possui adaptações anatômicas específicas, devido aos hábitos alimentares de ingestão de formigas e cupins. O arranjo singular do aparato hioide dos tamanduás é fundamental para a ingestão de alimentos. Sua descrição na literatura é baseada em peças e fósseis, o que dificulta a determinação de detalhes anatômicos existentes em animais vivos. As técnicas de imagem permitem a avaliação da anatomia topográfica dos animais, de maneira não invasiva, e o conhecimento desta é fundamental para o diagnóstico e prognóstico de afecções. O objetivo desse trabalho foi descrever o contorno ósseo do aparato hioide do tamanduá-bandeira, por meio de imagens radiográficas e tomográficas. Foram utilizados tamanduás-bandeiras provenientes do Centro de Triagem de Animais Silvestres (CETAS-GO), sendo sete, de variadas idades, para os exames radiográficos e dois adultos para os tomográficos. Os elementos hioideos foram avaliados em todos os animais por meio de ambas as técnicas de imagem, sendo visibilizados na região cervical, de C2 até C6, composto por três elementos pares (estiloioide, epioide, ceratioide) e um elemento ímpar (basitireoide). A presença de ar na orofaringe permitiu a avaliação das estruturas de tecidos moles desta região, como a epiglote e o palato mole. Os cortes tomográficos axiais têm importância limitada na avaliação dos hioides, mas permitem a avaliação do basitireoide e de seu formato característico (V-bone). Desta forma, para avaliar a região hioidea por meio dos exames radiográficos e tomográficos em tamanduás-bandeira, deve-se considerar que os ossos estiloioide, epioide e ceratioide localizam-se ventral às vértebras C2 até C5 e o basitireoide, em C5-C6, delimita a transição entre a nasofaringe e a traqueia. A orofaringe e a nasofaringe estendem-se de C1 a C5, e a traqueia inicia-se a partir de C6.


#4 - Morphology of the trachea and lung lobation of Leopardus pardalis (ocelot), 37(8):897-903

Abstract in English:

ABSTRACT.- Schuingues C.O., Lima M.G., Sardinha G.H.R., Pimenta A.L., Monteiro C. C., Ambrósio C.E., Martins D.S. & Costa G.M. 2017. [Morphology of the trachea and lung lobation of Leopardus pardalis (ocelot).] Morfologia da traqueia e lobação pulmonar de Leopardus pardalis (jaguatirica). Pesquisa Veterinária Brasileira 37(8):897-903. Programa de Biodiversidade e Agroecossistemas Amazônicos, Universidade do Estado do Mato Grosso, Campus I, Rodovia MT-208 Km 146, Alta Floresta, MT 78580-000, Brazil. E-mail: cristiano-af12@hotmail.com The species Leopardus pardalis, popularly known as ocelot, is a medium sized cat with wide distribution in the national territory and is included in the list of species of Brazilian fauna threatened with extinction. This study aimed to characterize the macroscopic and microscopic aspects of the trachea and lung lobes in L. pardalis. Analyses were performed using five copies of ocelot, two males and three females, adults, three of these specimens died from being run over on highways nearby the municipality of Alta Floresta, and two donated after death by IBAMA to the Laboratory of Zoology and Animal Morphology. In the trachea specimens was a flexible tube formed by pairs of cartilaginous arches, with pseudo-stratified epithelium ciliated not in its inner lining, and other basic structures of this body. Lung proved as a body made up of lobes separated by cracks with a usual parenchyma to the other described mammals. With respect to the anatomic features of the trachea and lung were similar to other mammals, as in the microscopic aspects of the trachea showed certain peculiarities found differing from the other jobs. Regarding the appearance of the lung parenchyma histological characteristics did not differ with those described.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Schuingues C.O., Lima M.G., Sardinha G.H.R., Pimenta A.L., Monteiro C. C., Ambrósio C.E., Martins D.S. & Costa G.M. 2017. [Morphology of the trachea and lung lobation of Leopardus pardalis (ocelot).] Morfologia da traqueia e lobação pulmonar de Leopardus pardalis (jaguatirica). Pesquisa Veterinária Brasileira 37(8):897-903. Programa de Biodiversidade e Agroecossistemas Amazônicos, Universidade do Estado do Mato Grosso, Campus I, Rodovia MT-208 Km 146, Alta Floresta, MT 78580-000, Brazil. E-mail: cristiano-af12@hotmail.com A espécie Leopardus pardalis, conhecida popularmente como jaguatirica, é um felino de médio porte com ampla distribuição em território nacional e está incluída na lista de espécies da fauna brasileira ameaçadas de extinção. Este estudo teve como objetivo caracterizar os aspectos macroscópicos e microscópico da traqueia e lobos pulmonares em L. pardalis. As análises foram feitas utilizando cinco exemplares de jaguatirica, sendo dois machos e três fêmeas, adultos, três desses exemplares foram a óbito por atropelamento em rodovias próximas ao município de Alta Floresta, e dois doados após a morte pelo IBAMA ao o Laboratório de Zoologia e Morfologia Animal. Nos espécimes a traqueia era um tubo flexível formado por pares de arcos cartilaginosos, apresentando epitélio pseudo-estratificado não ciliado no seu revestimento interno, e outros estruturas básicas deste órgão. O pulmão se mostrou como um órgão constituído por lobos separados por fissuras com um parênquima usual aos demais mamíferos descritos. No que diz respeito às caraterísticas anatômicas da traqueia e pulmão se mostraram semelhantes à de outros mamíferos, já nos aspectos microscópicos da traqueia apresentou certas peculiaridades diferindo dos demais trabalhos encontrados. No que tange o aspecto do parênquima pulmonar as características histológicas não variaram com as que estão descritas.


#5 - Histological description of Cerdocyon thous (Linnaeus, 1766) respiratory system, 37(5):531-535

Abstract in English:

ABSTRACT.- Rocha M.P., Nunes A.P., Minello L.F., Cruz L.A.X., Albano A.P.N. & Mondadori R.G. 2017. Histological description of Cerdocyon thous (Linnaeus, 1766) respiratory system. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(5):531-535. Faculdade de Medicina, Instituto de Biologia, Departamento de Morfologia, Universidade Federal de Pelotas, Av. Duque de Caxias 250, Fragata, Pelotas, RS 96030-000, Brazil. E-mail: marlapi@yahoo.com.br The massive agricultural expansion converted the Cerdocyon thous, a South American native predator, in vulnerable specie. Basic data, such as histological description, are important to raise awareness on animal species, helping on preservation strategies. Considering the difficult in obtain samples, as the euthanasia of wild animals for this purpose is not allowed, data on histology are very scarce or inexistent. The objective of this paper was to provide a detailed histological description of the trachea and bronchial tree of the crab-eating fox Cerdocyon thous (Linnaeus, 1766). The specimens (one adult male and one adult female) used were provided by the Federal University of Pelotas (Pelotas, RS, Brazil) Rehabilitation Center of Wild Fauna (NURFS). Tissue samples were fixed in 10% formalin and included in paraffin. After slicing, samples were stained with HE (hematoxylin and eosin), PAS (periodic acid–Schiff) and resorcin fuchsin. Trachea had an average diameter of 7.87mm, and approximately 57% of the mucosa ciliated pseudo-stratified columnar epithelium was composed of goblet cells, mostly in the dorsal region. Bronchia and bronchioles had a mucosal fold with higher number of goblet cells. Using all these techniques there is no great remarkable differences from C. thous trachea and lung, when compared with the previous described structures for carnivores and most mammals, except for the goblet cells “regionalization”. Described results are important to understand the animal physiological and behavioral habits, allowing the development of preservation and protection strategies.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Rocha M.P., Nunes A.P., Minello L.F., Cruz L.A.X., Albano A.P.N. & Mondadori R.G. 2017. Histological description of Cerdocyon thous (Linnaeus, 1766) respiratory system. [Descrição histológica do sistema respiratório de Cerdocyon thous (Linnaeus, 1766).] Pesquisa Veterinária Brasileira 37(5):531-535. Faculdade de Medicina, Instituto de Biologia, Departamento de Morfologia, Universidade Federal de Pelotas, Av. Duque de Caxias 250, Fragata, Pelotas, RS 96030-000, Brazil. E-mail: marlapi@yahoo.com.br A expansão agrícola maciça tornou o Cerdocyon thous, um predador nativo sul-americano, vulnerável. Dados básicos, tais como descrição histológica, são importantes para aumentar o conhecimento sobre as espécies, ajudando nas estratégias de preservação. A eutanásia de animais selvagens para a coleta de amostras não é permitida, por isso os dados sobre a histologia são muito escassos ou inexistentes. O objetivo deste trabalho foi de fornecer uma descrição histológica detalhada da traqueia e árvore brônquica do cachorro do mato Cerdocyon thous (Linnaeus 1766). Os espécimes (um macho e uma fêmea adultos) utilizados foram fornecidos pela Universidade Federal de Pelotas (Pelotas, RS, Brasil), Centro de Reabilitação da Fauna (NURFS). As amostras de tecido foram fixadas em formalina a 10% e incluídas em parafina. Após o corte, as amostras foram coradas com HE (hematoxilina e eosina), PAS (ácido periódico de Schiff) e resorcina fucsina. A traqueia tinha um diâmetro médio de 7,87 milímetros e aproximadamente 57% do diâmetro do epitélio colunar pseudo-estratificado ciliado da mucosa composto por células caliciformes, principalmente na região dorsal do órgão. Os brônquios e bronquíolos apresentaram cararísticas similares aos outros animais, contudo aparenta ter maior número de células caliciformes. Usando distintas técnicas de coloração, observou-se que não há diferenças notáveis da traqueia e do pulmão de C. thous quando comparados com os dados para carnívoros e para a maioria dos mamíferos, exceto a regionalização de células caliciformes. Os resultados descritos são importantes para compreender a fisiologia dos animais e hábitos comportamentais, permitindo o desenvolvimento de estratégias de preservação e proteção.


#6 - Morphological and morphometric trachea sloth (Bradypus variegatus): knowledge for emergency procedures, 35(2):193-198

Abstract in English:

ABSTRACT.- Faro T.A.S., Lima A.R., Messias A.C., Cabral R., Giese E.G., Matos E.R. & Branco E. 2015. [Morphological and morphometric trachea sloth (Bradypus variegatus): knowledge for emergency procedures.] Morfologia e morfometria da traqueia da preguiça (Bradypus variegatus): conhecimentos para procedimentos de emergência. Pesquisa Veterinária Brasileira 35(2):193-198. Setor de Anatomia Descritiva dos Animais Domésticos e Selvagens, Instituto de Saúde e Produção Animal, Faculdade de Medicina Veterinária, Universidade Federal Rural da Amazônia, Campus de Belém, PA 66077-530, Brazil. E-mail: ebranco.ufra@gmail.com As the sloth (Bradypus variegatus) is a little studied species, especially from a morphological point of view, this research aimed to define the anatomy of its trachea. The information would facilitate the selection of a proper endotracheal tube, laryngeal mask or tracheostomy tube for anesthesia and emergency procedures, since it appeared to have a special morphology. Eleven young animals of different ages were investigated, four males and seven females, obtained from the Emilio Goeldi Museum and donated to UFRA. The specimens were infused intramuscularly with 10% aqueous formaldehyde for preservation and were later dissected at the cervico-thoracic level, by mesoscopia, exposing the area from the larynx to the right and left primary bronchi at the hilum. The tracheae were divided into five regions (cervical, first flexure, second flexure, third flexure, and carina) for which length and width were measured, as well as the total tracheal length. Sharp windings were seen in the middle caudal portion, including the carina. The average tracheal length was 14.6 cm. Microscopically, the trachea was made up of separate plates of hyaline cartilage forming each ring, lined with ciliated epithelium. Despite the trachea of the common sloth displaying the same lining pattern found in other animals, there are no reports in the literature of other species having a macroscopic morphology as described here, which leads us to suggest, where appropriate access to emergency ventilation, the practice of IOT and not tracheostomy.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Faro T.A.S., Lima A.R., Messias A.C., Cabral R., Giese E.G., Matos E.R. & Branco E. 2015. [Morphological and morphometric trachea sloth (Bradypus variegatus): knowledge for emergency procedures.] Morfologia e morfometria da traqueia da preguiça (Bradypus variegatus): conhecimentos para procedimentos de emergência. Pesquisa Veterinária Brasileira 35(2):193-198. Setor de Anatomia Descritiva dos Animais Domésticos e Selvagens, Instituto de Saúde e Produção Animal, Faculdade de Medicina Veterinária, Universidade Federal Rural da Amazônia, Campus de Belém, PA 66077-530, Brazil. E-mail: ebranco.ufra@gmail.com Por ser uma espécie pouco estudada, principalmente do ponto de vista morfológico, objetivou-se conhecer a anatomia da traqueia da preguiça (Bradypus variegatus) a fim de fornecer informações para facilitar a eleição de tubo endotraqueal adequado, máscara laríngea ou cânula de traqueostomia para anestesia e procedimentos de emergência, uma vez que a mesma revelou-se possuidora de uma morfologia especial. Foram investigados 11animais jovens de idades diferentes, sendo quatro machos e sete fêmeas, provenientes do Museu Emilio Goeldi e doados a UFRA. Os exemplares foram perfundidos via intramuscular com solução aquosa de formol a 10% para fins de conservação e posteriormente foram dissecados em nível cervico-torácico, por meio de mesoscopia, expondo-se desde a laringe até os brônquios principais direito e esquerdo ao nível do hilo pulmonar. As traqueias foram divididas em cinco regiões (região cervical, região da primeira flexura, região da segunda flexura, região da terceira flexura e região da carina) as quais foram mensuradas altura e largura, assim como o comprimento traqueal total e parte do material foi submetido à técnicas de rotina histológica. Macroscopicamente, destacou-se a presença de sinuosidades acentuadas em porção médio caudal, contemplando a carina. O comprimento médio traqueal foi de 14,6cm. Microscopicamente, a traqueia era constituída por placas separadas de cartilagem hialina constituindo cada anel, sendo revestido por epitélio estratificado ciliado. Apesar da traqueia da preguiça comum apresentar revestimento padrão encontrado na traqueia de outros animais, na literatura não há registros de outras espécies que tenham morfologia macroscópica nas condições descritas, o que nos leva a sugerir, quando necessário acesso para ventilação de emergência, a prática da IOT e não a de traqueostomia.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV
-->