Resultado da pesquisa (2)

Termo utilizado na pesquisa parasitas gastrointestinais

#1 - The importance of the dog (Canis lupus familiaris) in cocoa farms as carriers of helminths potentially transmissible to humans and wildlife in the Southern Bahia, Brazil

Abstract in English:

n introduced by humans in different parts of the world and represent a risk to wildlife conservation. Large extensions of agroforestry systems, where cocoa is grown under the shade of native trees, contribute to wildlife conservation in southern Bahia, Brazil. However, this system can increase contact between species of the native fauna and domestic dogs, which are frequently taken to the fields by rural workers. The aims of this study were to investigate the presence of domestic dogs inside cocoa agroforestry systems and the occurrence of helminths in dogs from cocoa farms near two protected areas: the Una Biological Reserve (REBIO-Una) and the Serra das Lontras National Park in Una, Bahia. We also investigated general characteristics of the dogs such as age, sex, breed, feeding frequency, vaccination, deworming and others, and evaluated possible risks of wildlife and human contamination by the domestic dog parasites. Camera traps were set up on eight cocoa agroforestry systems and three adjacent forest fragments. For parasitological investigation, fecal samples were collected from domestic dogs that lived on the eight cocoa farms. A total of 539 photos of 12 mammals were registered, of which 15% were of domestic dogs. The parasitological research was carried out with fecal samples from 32 of the 39 dogs that lived in the cocoa farms. We found one genus of cestode, Dipylidium sp. (7.7%), and five genera of nematodes, Ancylostoma sp. (80.7%), Strongyloides sp. (38.4%), Toxocara sp. (30.7%), Spirocerca sp. (15.4%) and Trichuris sp. (11.5%). Regarding animal care, all dogs were in poor body condition, 49% were fed twice a day, 90% defecated in the forest or cocoa agroforestry systems, only 33% were periodically dewormed, 64% were vaccinated against rabies in less than 12 months, and only one dog was vaccinated against other viruses. The results showed that domestic dogs share the same environment as wild animals yet lack some basic health care, increasing the possibility of parasitic transmission between domestic dogs, wildlife and humans from environmental contamination. We highlight the need for responsible pet ownership and the monitoring the health of wild animals and the human population living in this region.

Abstract in Portuguese:

Cães domésticos (Canis lupus familiaris) podem ser considerados espécies invasoras introduzidas pelo ser humano em diversos lugares do mundo, representando risco para a conservação da fauna. Grandes extensões de sistemas agroflorestais, onde o cacau é cultivado sob a sombra de árvores nativas, contribuem para a conservação da vida selvagem no sul da Bahia, Brasil. Entretanto, esse sistema pode aumentar o contato entre espécies da fauna nativa e cães domésticos, frequentemente levados para o campo por trabalhadores rurais. Os objetivos deste estudo foram investigar a presença de cães domésticos em sistemas agroflorestais de cacau e a ocorrência de helmintos em cães de fazendas de cacau nas proximidades de duas áreas protegidas: a Reserva Biológica de Una (REBIO-Una) e o Parque Nacional da Serra das Lontras, em Una, Bahia. Também foram investigadas as características gerais dos cães como idade, sexo, raça, frequência de alimentação, vacinação, vermifugação e outros, e avaliados os possíveis riscos de contaminação da vida selvagem e seres humanos por parasitas de cães domésticos. Armadilhas fotográficas foram instaladas em oito sistemas agroflorestais de cacau e três fragmentos florestais adjacentes. Para investigação parasitológica, foram coletadas amostras fecais de cães domésticos que viviam nas oito fazendas de cacau. Foram registradas 539 fotos de 12 mamíferos, onde 15% das fotos pertenciam à cães domésticos. A pesquisa parasitológica foi realizada com amostras fecais de 32 dos 39 cães que viviam nas fazendas de cacau. Encontramos um gênero de cestóide: Dipylidium sp. (7,7%), e cinco gêneros de nematóides: Ancylostoma sp. (80,7%), Strongyloides sp. (38,4%), Toxocara sp. (30,7%), Spirocerca sp. (15,4%) e Trichuris sp. (11,5%). Em relação aos cuidados com os animais, todos estavam com score corporal baixo, 49% dos cães eram alimentados duas vezes ao dia, 90% defecam na floresta ou em sistemas agroflorestais de cacau, apenas 33% foram vermifugados periodicamente, 64% vacinados contra a raiva em menos de 12 meses e apenas um cão foi vacinado contra outros vírus. Os resultados mostram que os cães domésticos compartilham o mesmo ambiente que os animais silvestres e carecem de alguns cuidados básicos de saúde, aumentando a possibilidade de trânsito parasitário entre cães domésticos, animais silvestres e humanos por contaminação ambiental. Destaca-se a necessidade de atividades de posse responsável de animais de estimação e o monitoramento da saúde dos animais silvestres e da população humana que vive nesta região.


#2 - Management practices to control gastrointestinal parasites in sheep farms in Minas Gerais, southeastern Brazil, 33(4):464-468

Abstract in English:

ABSTRACT.- Gouveia A.M.G., Molento M.B., Silva M.X., Brandão H.M., Gouveia G.C., Morlán J.B. & Guimarães A.S. 2013. Management practices to control gastrointestinal parasites in sheep farms in Minas Gerais, southeastern Brazil. Pesquisa Veterinária Brasileira 33(4):464-468. Emprapa Gado de Leite, Rua Eugênio do Nascimento 610, Dom Bosco, Juiz de Fora, MG 36038-330, Brazil. E-mail: alessandro.guimaraes@embrapa.br Parasite related problems are considered one of the major health problems for sheep breeding, causing considerable economic losses to commercial husbandry. The aim of this study was to determine the technological level and the level of knowledge of farmers regarding management practices to control gastrointestinal parasites in sheep in Minas Gerais state, southeastern Brazil. The analysis was based on 213 questionnaires applied by official veterinarians of the State Government Agency for Animal Health (Instituto Mineiro de Agropecuária, IMA), covering 16.6% of all counties. From two hundred and thirteen sheep farms sampled, 117 farms had their technological level determined. From the samples, 0.9% were characterized as high level, 45.3% as medium, and 53.0% as low technological level. The flock size ranged from 2 to 1843 with an average of 80.5 sheep per farm. The majority of the sheep production systems was extensive/semi-extensive (74.5%). The management practices adopted by the farmers to reduce parasitism were: split young and adult animals (5.6%), change pasture after deworm the animals (5.2%), use quarantine for incoming animals (2.3%), deworm newly arrived sheep (1.5%), and have regular technical assistance (31.9%). Although 76.5% of the farmers medicate the animals, treatments were performed without any major technical criteria, with an average interval of 4.6 months. The most commonly used drug families were macrocyclic lactones (38.5%) and benzimidazoles (24.9%). The management practices adopted in Minas Gerais are based on old recommendations and may not return in a good set of strategies to prevent parasite infections. Field observations reinforce the finding where farmers have obtained unsatisfactory results in maintaining the health and productivity level of their enterprises.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Gouveia A.M.G., Molento M.B., Silva M.X., Brandão H.M., Gouveia G.C., Morlán J.B. & Guimarães A.S. 2013. Management practices to control gastrointestinal parasites in sheep farms in Minas Gerais, southeastern Brazil. [Práticas de manejo para controle de parasitas gastrointestinais em fazendas com ovinos em Minas Gerais, Sudeste do Brasil.] Pesquisa Veterinária Brasileira 33(4):464-468. Emprapa Gado de Leite, Rua Eugênio do Nascimento 610, Dom Bosco, Juiz de Fora, MG 36038-330, Brazil. E-mail: alessandro.guimaraes@embrapa.br Problemas relacionados com parasitas são considerados um dos principais problemas sanitários na criação de ovinos, causando consideráveis ​​perdas econômicas para criação comercial. O objetivo deste estudo foi determinar o nível tecnológico e o nível de conhecimento dos criadores sobre práticas de manejo para o controle de parasitas gastrintestinais em ovinos no estado de Minas Gerais, sudeste do Brasil. A análise foi baseada em 213 questionários aplicados pelos veterinários oficiais da Agência de Governo Estudal de Saúde Animal (Instituto Mineiro de Agropecuária, IMA), cobrindo 16,6% de todos os municípios. Duzentos e treze propriedades com ovinos foram amostradas e 117 tiveram o seu nível tecnológico determinado. A partir da amostra, 0,9% foi caracterizado como nível elevado, de 45,3%, como de médio e 53,0% como baixo nível tecnológico. O tamanho do rebanho variou de 2 a 1843 com uma média de 80,5 ovinos por propriedade. A maioria dos sistemas de produção de ovinos eram extensivos/semi-extensivos (74,5%). As práticas de manejo adotadas pelos criadores para reduzir o parasitismo foram: separar animais jovens e adultos (5,6%), mudança de pastagem após vermifugar os animais (5,2%), uso de quarentena para animais recem adiquiridos (2,3%), vermifugação de ovelhas recém-chegadas (1,5%) e assistência técnica regular (31,9%). Apesar de 76,5% dos criadores vermifugarem os animais, os tratamentos foram realizados sem qualquer critério técnico importante, com um intervalo médio de 4,6 meses. As famílias de drogas mais comumente usadas foram lactonas macrocíclicas (38,5%) e benzimidazóis (24,9%). As práticas de manejo adotadas em Minas Gerais são baseadas em recomendações antigas e não em estratégias para prevenir infecções parasitárias. As observações de campo reforçam os achados em que os proprietários obtiveram resultados insatisfatórios na manutenção dos níveis de saúde e produtividade de seus empreendimentos.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV
-->