Resultado da pesquisa (2)

Termo utilizado na pesquisa marsh deer

#1 - Oral affections in an ex situ population of marsh deer (Blastocerus dichotomus): a retrospective study (1990-2020)

Abstract in English:

Oral diseases are limiting to health, welfare, and conservation practices, especially in the case of endangered animals. In this retrospective study, a survey on oral health-related conditions noted in the clinical records for 261 deer comprised in an ex situ population of the Marsh Deer Conservation Center (CCCP) over 30 years (1990-2020) was carried out. Of these, 49 (18.77%) marsh deer (31 females - 63.27% and 18 males - 36.73%) had clinical oral affections; the affected deer’s mean age was 8.9 years. Logistic regression analysis was performed, and the variable age was significantly associated with the presence of dental affections. Thus, with a change in the age category, a deer had eight times the chance of manifesting oral affections; therefore, age can be considered a risk factor for the manifestation of oral affections in the species. Increased facial volume (65.3%), accumulation of food in the mouth (36.7%), tooth loss (22.4%), fistulas (22.4%), mucosal or palatal lesions (22.4%), tooth wear (20.4%), and tooth root exposure (18.3%) were the most frequently recorded lesions. The relatively high occurrence of oral affections in Blastocerus dichotomus reiterates the importance of oral health care when deer are kept in human care.

Abstract in Portuguese:

As doenças bucais são limitantes para as práticas de saúde, bem-estar e conservação, especialmente no caso de animais ameaçados de extinção. Neste estudo retrospectivo, realizou-se um levantamento sobre condições relacionadas à saúde bucal observadas nos registros clínicos de 261 cervídeos que compunham uma população ex situ do Centro de Conservação do Cervo-do-Pantanal durante um período de 30 anos (1990-2020). Destes, 49 (18,77%) cervos-do-pantanal (31 fêmeas (63,27%) e 18 machos (36,73%)) apresentavam afecções clínicas bucais; e a idade média dos cervídeos afetados foi de 8,9 anos. Realizou-se a análise de regressão logística e a variável idade mostrou associação significativa com a presença de afecções dentárias. Assim, com a mudança de categoria de idade, um cervídeo teve oito vezes mais chances de manifestar afecções bucais; portanto, a idade pode ser considerada como fator de risco para manifestação de afecções bucais na espécie. Aumento de volume facial (65,3%), acúmulo de alimentos na boca (36,7%), perda dentária (22,4%), fístulas (22,4%), lesões nas mucosas ou palatinas (22,4%), desgaste dentário (20,4%) e exposição de raiz (18,3%) foram as lesões mais registradas. A ocorrência relativamente alta de afecções bucais em Blastocerus dichotomus reitera a importância dos cuidados com a saúde bucal quando os cervídeos são mantidos sob cuidados humanos.


#2 - Morphology of the tongue of the Marsh deer (Blastocerus dichotomus), 36(4):351-355

Abstract in English:

ABSTRACT.- Machado M.R.F., Pacheco M.R., Leal L.M., Martins L.L., Dos Reis A.C.G. & Duarte J.M.B. 2016. [Morphology of the tongue of the Marsh deer (Blastocerus dichotomus).] Morfologia da língua do cervo do pantanal (Blastocerus dichotomus). Pesquisa Veterinária Brasileira 36(4):351-355. Departamento de Morfologia e Fisiologia Animal, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Universidade Estadual Paulista, Via de Acesso Paulo Donato Castellane s/n, Jaboticabal, SP 14884-900, Brazil. Email: leonardo.vet@hotmail.com The aim was to describe the morphology of the tongue of the Marsh deer (Blastocerus dichotomus), the largest deer of the Brazilian fauna, since there is little detailed information on their morphology. Tongues of eight adult Marsh deers, belonging to Projeto cervo-do-pantanal de Porto Primavera were analyzed for their macroscopic aspects and by light microscopy. The Marsh deer tongue occupies most of the oral cavity, where the root and body are fixed caudally by the hyoid bone, and in its middle portion by the frenulum linguae; its free apex is flat and plane, has little prominent torus lingae and there is no demarcation of fossa linguae. The lateral and ventral surfaces are covered by a thin mucosa; however the dorsal surface is covered by thick mucosa, although soft. On the dorsal surface are the papillae: filiform, conical, lenticular, fungiform and vallate. Histologically was found that the mucosa has a stratified squamous epithelium, the lamina propria consists of connective tissue rich in collagen fibers arranged in several directions, where there is abundant vascularization and accumulation of lymphoid tissue.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Machado M.R.F., Pacheco M.R., Leal L.M., Martins L.L., Dos Reis A.C.G. & Duarte J.M.B. 2016. [Morphology of the tongue of the Marsh deer (Blastocerus dichotomus).] Morfologia da língua do cervo do pantanal (Blastocerus dichotomus). Pesquisa Veterinária Brasileira 36(4):351-355. Departamento de Morfologia e Fisiologia Animal, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Universidade Estadual Paulista, Via de Acesso Paulo Donato Castellane s/n, Jaboticabal, SP 14884-900, Brazil. Email: leonardo.vet@hotmail.com Objetivou-se descrever a morfologia da língua do cervo do pantanal (Blastocerus dichotomus), o maior cervídeo da fauna brasileira, pois poucas são as informações detalhadas sobre sua morfologia. Línguas e fragmentos linguais de oito cervos do pantanal, adultos, provenientes do Projeto Cervo-do-Pantanal de Porto Primavera foram analisados quanto aos seus aspectos macroscópicos e à microscopia de luz. A língua do cervo do pantanal ocupa grande parte da cavidade oral, onde a raiz e o corpo estão fixados caudalmente pelo osso hióide e, em sua porção média, pelo frênulo lingual; seu ápice, achatado e plano é livre; apresenta torus lingual pouco proeminente, não havendo delimitação da fossa lingual. Na superfície dorsal encontram-se as seguintes papilas: filiformes, cônicas, lenticulares, fungiformes e valadas. Histologicamente verificou-se que a mucosa reveste-se de epitélio estratificado pavimentoso queratinizado, a lâmina própria constitui-se de tecido conjuntivo, rico em fibras colágenas dispostas em várias direções, onde se verifica abundante vascularização, além de acúmulo de tecido linfático.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV
-->